Assassinato de Júlio César: 10 coisas que você deve saber sobre os idos de março

Depois de mergulhar a República Romana na guerra civil em janeiro de 49 aC, Júlio César retornou a Roma triunfante. Alega-se que suas legiões mataram quase dois milhões de pessoas em 50 batalhas decisivas durante sua campanha contra a república. Em seu retorno, ele foi saudado como um herói pelo público em geral, mas o Senado romano foi agora lançado sob uma sombra de preocupação e medo, um sentimento que foi forte o suficiente para que eles planejassem o assassinato de César. O assassinato de Júlio César é sem dúvida um dos eventos mais significativos da história romana antiga. Isso levou a repercussões históricas e desencadeou uma cadeia de eventos que viu a transição da República Romana para o Império Romano. Aqui está uma lista das dez principais coisas que você deve saber sobre os idos de março, ou o assassinato de Júlio César. Esta lista está em ordem cronológica de como os eventos ocorreram antes do assassinato de César e o impacto que teve na história como a conhecemos:

10. O poder de Júlio César

Júlio César no exército da República Romana

Quando Caio Júlio César assumiu o papel de general no exército da República Romana, ele se tornou um homem de muitos talentos. Desde seus primeiros dias sendo parte do Primeiro Triunvirato junto com Pompeu e Crasso, até se tornar um ditador após derrotar as últimas forças remanescentes de Pompeu em 46 aC, César ganhou o voto popular do público romano. Ele realizou uma impressionante transição do estilo de vida de um comandante militar para um líder político verdadeiramente capaz.

Além disso, ao contrário de seus antecessores, que tinham liderado a República Romana, César mostrou uma preocupação apaixonada pelo público romano. Ele introduziu uma série de reformas para melhorar a vida das pessoas comuns, o que lhe rendeu muitos elogios e favor entre o público romano. Ele trouxe grãos para áreas urbanas pobres e ofereceu terras a todos os veteranos aposentados de suas muitas legiões. Essas reformas o tornaram popular entre o povo, mas soou o alarme entre seus inimigos e membros do Senado. Tal era o seu poder, e o apoio do público em geral para ele, que mesmo quando ele se tornou um ditador autodeclarado, não havia muito que o Senado pudesse fazer sobre isso.

9. A Conspiração de Júlio César

Ficou claro para o Senado Romano que a ascensão de César como ditador da vida significou o fim da República Romana. César tinha muitos inimigos no Senado que desprezavam sua audácia em desmantelar a república por si mesmo, mas suas mãos estavam amarradas quando César tinha o apoio popular do público em geral e do exército. Foi exatamente nessa época, como última tentativa de salvar a república, que certos membros do Senado decidiram tomar a questão por conta própria.

Os conspiradores raramente se encontravam abertamente e encontravam-se alguns de cada vez nas casas uns dos outros para planejar cuidadosamente seu ataque. De fato, eles discutiram todos os lugares possíveis para realizar o ataque fatal a César, certificando-se de que ele não tivesse chance de sobreviver. Depois de trabalhar com todas as opções possíveis, eles decidiram agir enquanto César estava no Senado. César não podia trazer seus guardas, pois membros do Senado não eram permitidos e os conspiradores podiam facilmente levar adagas escondidas sob suas togas.

8. Bad Omens no Dia do Assassinato de Júlio César

Esposa de César

Uma coisa que os conspiradores não podiam fazer era os rumores que começaram a circular, alertando os amigos, a família e os simpatizantes de perigo iminente de César. Os amigos de César tinham suas suspeitas de que o Senado estava tramando algo e sua esposa estava assustada com visões e pesadelos. Ela estava determinada a impedir que César entrasse no Senado naquele dia em particular. De fato, foi Brutus quem convenceu César a ignorar toda essa “tolice” e realizar seus deveres participando como de costume.

Logo antes de entrar na câmara, os sacerdotes trouxeram vítimas para ele se sacrificar em rituais de rotina. Dizem que eles notaram que algo estava claramente errado sobre o dia e seus procedimentos. Eles queriam fazer outro sacrifício para ver se seus sentimentos sobre aquele dia malfadado se tornavam mais claros. Mas para o alívio dos conspiradores, César ficou irritado com todo esse incômodo e abandonou qualquer outro sacrifício até o pôr do sol. Ele então começou a entrar na câmara para tomar seu assento no Senado.

7. Quando Aconteceu: Idos de Março

Ides de março

Há uma razão pela qual os relatos do assassinato de Júlio César geralmente vêm com o slogan “Idos de Março”. Naquela época, os romanos não contavam os dias em sequência como fazemos hoje, mas contavam os dias de cada um deles. mês para trás a partir de três pontos fixos. Esses pontos fixos eram Nones, Ides e Kalends. Ides representaram a metade do mês e ocorreram no dia 15 dos meses de março, maio, julho e outubro, e no dia 13 para os meses restantes.

Júlio César havia planejado deixar Roma em novas campanhas em 18 de março. O Senado percebeu que não poderia esperar mais, porque ele voltaria ainda mais forte se conseguisse. Depois de cuidadosamente refletir sobre suas opções, 15 de março de 44 aC foi decidido como a data final. Eles esperariam que ele tomasse seu lugar no Senado no Teatro de Pompeu, nos idos de março, para lançar seu ataque surpresa.

6. Ataque a César

Ataque a César

Nos idos de março, César estava acompanhado por vários membros do Senado a caminho do Teatro de Pompeu. O Senado se levantou quando ele entrou, e os conspiradores se posicionaram bem dentro de sua vizinhança. Foi Tillius Cimber quem colocou as rodas em movimento. Ele agarrou a toga de César sob o pretexto de apresentar um pedido em nome de seu irmão exilado. Esse contato súbito com tanta proximidade assustou César e, naquele momento, os conspiradores remanescentes pegaram seus adagas e se lançaram sobre ele.

📒 Leia online gratuitamente centenas de livros de História Antiga

Casca o esfaqueou primeiro no ombro esquerdo. Um totalmente chocado Caesar tentou se defender, mas ele foi cercado pelos atacantes e não havia saída. Cassius deu outro soco no rosto e Decimus Brutus enfiou a adaga nas costelas. Os atacantes esfaquearam 23 vezes naquele dia. César havia sido brutalmente assassinado e seu corpo jazia aos pés da estátua de seu falecido arqui-inimigo Pompeu.

5. As últimas palavras de César

Quando Tillius Cimber agarrou sua toga para impedi-lo de se defender, é relatado que César disse: “Por que, isso é violência?” Uma enxurrada de punhal foi seguida, efetivamente matando César no local. Foi o ataque de Decimus Brutus que desencadeou uma resposta de César. Contou Brutus entre um de seus confidentes e, no dia em que quase todos os seus amigos e parentes o haviam advertido de não ir ao Senado, foi Brutus quem o convenceu a ignorar seus avisos e cumprir seu dever.

Nas palavras de Shakespeare, quando Brutus enfiou as costelas nas costas, César olhou para ele e disse: "Et tu, Brute!" – "Você também, Brutus!" Por mais bela que seja essa prosa, não há provas de que foram as palavras reais ditas por César. Se quisermos seguir mais fontes contemporâneas, há historiadores que afirmam que suas últimas palavras foram uma frase grega que significava: "Você também, criança?"

4. Consequências de Júlio César

Consequências da morte de Júlio César

Os conspiradores do Senado fizeram grandes esforços para elaborar um grande plano que não deixasse espaço para fuga de César. Mas o escopo de sua trama nunca levou em conta os diferentes cenários que se desenrolariam no rescaldo do evento. Eles estavam bastante confiantes de que a queda de César traria o ressurgimento da República Romana. Logo após o brutal assassinato de César, Brutus tentou em vão acalmar um público enfurecido que não podia acreditar que seu amado líder não existia mais.

As coisas tomaram um rumo bastante dramático quando Antony ficou com o manto de César na mão em sua cremação. A multidão podia ver a roupa rasgada e sangrenta, e isso os incitou a se vingar. As chamas do funeral de César ainda ardiam intensamente quando uma multidão de cidadãos furiosos partiu para incendiar as casas de todos os envolvidos. Em poucos dias, todos os conspiradores tiveram que fugir de Roma para salvar suas vidas, efetivamente entregando o governo a Marco Antônio.

3. Ascensão Eventual de Augusto

Augustus

Após a morte de César, Mark Antony marcou uma dupla vitória: todos os seus poderosos rivais estavam em fuga e agora ele era apontado como o próximo campeão do povo. Por outro lado, o sobrinho de César, Otaviano, estava concluindo seus estudos acadêmicos e militares em Apolônia quando a notícia do assassinato de César chegou a ele. Ele estava se preparando para assumir um posto de comando militar na campanha pré-planejada de César contra os partos, aos 18 anos. Ele foi imediatamente para Roma e, no caminho de volta, soube que César o havia adotado em seu testamento, efetivamente. fazendo dele o legítimo herdeiro de Roma.

Isso alimentou ainda mais seu desejo de vingança contra os assassinos. No entanto, ele estava em outro choque quando chegou em Roma para encontrar o poder estava agora nas mãos de Marco Antônio e Aemilius Lepidus. Mas no devido tempo, ele começou a ganhar a lealdade das legiões e apoiadores de César. Isso o colocou em um caminho de conflito direto com Antônio e Lépido. Finalmente, ele lutou contra Antônio na batalha decisiva de Actium, que ele conquistou e se coroou como imperador Augusto do Império Romano.

2. Significado Histórico

Senado romano

A história romana antiga, ou talvez a história da Europa, poderia ter sido muito diferente se César não tivesse sido assassinado nos idos de março. César foi morto na esperança de reacender os dias republicanos da Roma antiga. Mas, para o desânimo total de seus assassinos, a queda de César foi contra eles com tais conseqüências que os remanescentes remanescentes da República Romana foram irrevogavelmente substituídos pela Roma imperial. Alguns historiadores afirmam que a República Romana poderia ter sobrevivido por mais tempo se César não tivesse tido uma morte tão prematura.

A morte de César também indica claramente que o Senado Romano nunca representaria um ditador autodeclarado. Sua tolerância a tal ato poderia ter levado a uma tendência entre herdeiros subseqüentes de César a declarar-se ditadores também. Mais importante, César havia planejado uma expansão completa de Roma, que ele pretendia começar com a invasão da poderosa Pérsia. Este plano nunca aconteceu. Se ele tivesse vivido para invadir com sucesso a Pérsia, os historiadores acreditam que ele tinha mais aspirações para ir além das fronteiras que haviam sido estabelecidas anteriormente, como Alexandre, o Grande.

1. Cultura Pop

Literatura shakespeariana, César

Júlio César é sem dúvida uma das figuras mais influentes da Roma antiga. Ele foi representado em diferentes formas de arte e cultura vez e outra vez. De antigos poemas e recitais a obras de historiadores medievais, o nome de Júlio César reaparece em toda a história literária.

Talvez tenha sido na peça de Shakespeare apropriadamente chamada A Tragédia de Júlio César, onde seu nome se tornou verdadeiramente imortalizado. Embora a tragédia descrevesse mais a luta de Brutus para honrar sua amizade e lealdade a César e seu dever de preservar a República Romana, a encenação do assassinato de César encenou o público. Essa peça de Shakespeare ainda é encenada como uma peça enigmática de drama histórico nos teatros modernos, e a ação também foi retratada em várias adaptações de filmes e TV.

Conclusão

Sem dúvida, o assassinato de Júlio César nos idos de março é um dos acontecimentos mais notórios da história da Roma antiga. É também um evento que levou a enormes repercussões e ramificações. A morte de César causou tanta agitação na Roma contemporânea que os próprios alicerces da República Romana foram despedaçados, apenas para serem substituídos pela nova Roma imperial. Por mais medonha que fosse a morte de César, ela realmente abriu as portas para um Império Romano muito mais estável e o eventual florescimento da era Augusta.

Deixe um comentário