Épico de Gilgamesh: Resumo em 10 pontos interessantes

A Epopéia de Gilgamesh se destaca como uma das primeiras obras conhecidas da história humana. É um poema épico que narra a história da vida de um homem chamado Gilgamesh. Gilgamesh era o rei de Uruk, uma majestosa cidade suméria que está localizada no atual Iraque. Esta peça histórica da literatura poética na verdade antecede os primeiros escritos de Homero em 1.500 anos. Por essa razão, muitos historiadores o colocaram como o remanescente mais antigo de um épico na história da literatura ocidental. Começando com a introdução do poderoso personagem de Gilgamesh, o épico leva os personagens principais a uma aventura em que aprendem sobre a vida, a morte e a amizade. Aqui está uma lista de 10 pontos interessantes para resumir a Epopéia de Gilgamesh:

10. Epopéia de Gilgamesh: O Prelúdio

Gilgamesh, dois terços de deus e um terço de homem

O prelúdio da Epopéia de Gilgamesh gira principalmente em torno da introdução de Gilgamesh, o rei de Uruk, e dos eventos subsequentes que moldam sua jornada. Nascido dois terços de deus e um terço de homem, Gilgamesh tinha uma força formidável e um físico intimidador, mas atraente. Nos primeiros trechos, ele é retratado como um homem sábio, construindo magníficos templos e torres em sua cidade suméria, cercado por altos muros. Mas quando percebeu que seu poder estava além do dos humanos comuns, ele logo se tornou um tirano cruel. Ele começou a abusar de seu povo, estuprando qualquer mulher que estivesse de olho e obrigando as pessoas a trabalhar em seus projetos de construção pessoal.

Para conter o comportamento de Gilgamesh, os deuses criaram um ser igualmente poderoso chamado Enkidu para lutar contra ele. Eles acabaram se tornando grandes amigos, tanto que Gilgamesh foi devastado quando Enkidu morreu de uma doença infligida pelos deuses. Incapaz de compreender o conceito de que a morte é uma possibilidade real, mesmo para os gostos dele, ele embarca em uma jornada para a periferia do mundo. No caminho, ele aprende sobre coisas além do escopo de seu reino e registra seu conhecimento em tábuas de pedra. Essas tábuas representam as diferentes lições de vida na Epopéia de Gilgamesh.

9. Epopéia de Gilgamesh: História

Epopéia de Gilgamesh: História

Citando os primeiros exemplos da Epopéia de Gilgamesh, e se os mitos em torno de Gilgamesh devem ser acreditados, o épico permaneceu no topo das grandes obras literárias dos tempos antigos. É sem dúvida uma jóia na história da literatura cuneiforme, um sistema de escrita desenvolvido pelos antigos sumérios em torno de 3500 a 3000 aC.

Os arqueólogos ainda estão por descobrir qualquer evidência real que possa datar o épico de volta ao seu tempo de origem, mas várias cópias de certos trechos do épico foram encontradas na atual Israel, Síria e Turquia. Além disso, o personagem principal Gilgamesh é mencionado em toda a literatura grega e romana antiga.

Existem algumas tábuas cuneiformes sobreviventes que representam o épico, e essas tábuas de pedra mais antigas mostram a versão babilônica que remonta ao segundo milênio aC. É apenas dois terços completa e apresenta a história de Gilgamesh em uma luz diferente. Depois, há a versão acádia do início do século XIII ao século X aC. Não foi até o século VII dC que os historiadores contemporâneos encontraram as cópias mais bem preservadas nas ruínas da biblioteca do rei assírio Assurbanipal.

8. Mito de Gilgamesh

Gilgamesh, o rei da cidade suméria de Uruk

Gilgamesh é também conhecido como Bilgames em sumério e Gilgamos em grego e era parte deus, parte homem. Ele foi o quinto rei da cidade suméria de Uruk. Sua vida e atos foram tão influentes que muitos mitos cresceram em torno de suas realizações entre as gerações subseqüentes de sumérios. Esses mitos e histórias finalmente culminaram na Epopéia de Gilgamesh. O épico descreve-o como um guerreiro feroz e arquiteto audacioso. Apesar de ter todo o seu reino à sua mercê, seu reinado foi prejudicado por suas travessuras ultrajantes. Ele participou de batalhas incessantes, forçou seu povo a construir projetos intermináveis ​​e estuprou qualquer mulher que ele imaginasse.

Foi somente quando ele fez amizade com um ser igualmente poderoso, Enkidu, que suas atrocidades começaram a se acalmar. Em Enkidu, ele encontrou um verdadeiro amigo e irmão – alguém em quem ele podia confiar com sua vida e confiar em seus maiores medos. Então, quando Enkidu morreu, ele teve uma percepção repentina e horripilante de que a morte é um destino que ele não poderia escapar também. Ainda sofrendo por seu amigo, ele inicia uma jornada para aprender o segredo da vida eterna, abandonando toda a sua glória e poder como rei. No final de sua busca, ele descobre que a verdadeira harmonia está em aceitar como a vida efêmera pode ser. Sua felicidade depende de como ele escolhe se reconciliar com essa verdade. Ele então retorna ao seu reino com a promessa de ser um rei melhor e usa suas habilidades divinas para o bem maior.

7. Origem do Enkidu

Enkidu luta com Gilgamesh

Para combater a crescente ameaça que Gilgamesh estava apresentando ao seu povo, os deuses fizeram com que Enkidu, da água e do barro, fosse igual a Gilgamesh em termos de força e poder. Mas ao contrário do rei de Uruk, os primeiros dias de Enkidu foram passados ​​na natureza, seus instintos e estilo de vida influenciados pelos animais selvagens que o criaram. Por um longo tempo, ele permaneceu completamente isolado do mundo civilizado, mas gradualmente suas interações com os humanos se tornaram mais regulares, já que ele libertaria animais presos por caçadores. Eventualmente, ele abandonou sua vida na natureza e se dirigiu para a cidade de Uruk.

Dizem que ao chegar a Uruk, Enkidu lutou com Gilgamesh como um teste de força. Mas logo, eles se tornaram bons amigos, tanto que Gilgamesh logo o considerou como um irmão e igual, e uma parte de sua consciência. De certa forma, Enkidu cumpre o propósito de sua criação reduzindo as atrocidades de Gilgamesh com sua amizade. Como um verdadeiro irmão de armas, Enkidu inspira o rei de Uruk a se tornar o líder perfeito que ele poderia ter sido. No entanto, as coisas tomam um rumo desesperado quando Enkidu, junto com Gilgamesh, mata o servo de Enlil, Humbaba. Ele enfrenta a ira de Ishtar e é abatido por uma doença que lentamente envenena seu corpo, levando finalmente à sua morte.

📒 Leia online gratuitamente centenas de livros de História Antiga

6. A viagem de Utnapishtim à imortalidade

Gilgamesh estava desesperado para encontrar Utnapishtim

Muito antes da época de Gilgamesh, Utnapishtim governou como rei e sumo sacerdote da cidade de Shuruppak. Ele foi escolhido pelo deus Enki para abandonar todas as suas posses e criar um navio gigante para sobreviver à iminente inundação que destruiria todas as plantas, animais e seres humanos. Pode-se ver semelhanças óbvias entre a vida de Utnapishtim e a história da Arca de Noé. Independentemente do dilema moral de ter que deixar seus vizinhos e amigos para morrer, Utnapishtim lealmente completou a tarefa que lhe foi imposta por Enki. Ele e sua esposa receberam a imortalidade e um lugar entre os deuses.

Em sua tristeza pela morte de Enkidu e pelo medo da morte inevitável que o aguardava, Gilgamesh estava ansioso para encontrar Utnapishtim. Ele acreditava que desde que Utnapishtim foi dada a vida eterna pelos deuses, ele seria capaz de guiá-lo para a imortalidade também. Quando eles finalmente se conheceram, Utnapishtim tentou convencer Gilgamesh a abandonar sua busca e viver uma vida feliz como um mortal. Mas ele também contou a ele sobre uma planta mágica que poderia ajudá-lo a ganhar a vida eterna.

5. Siduri, Guardião da Taverna do Submundo

Interação entre Siduri e Gilgamesh

Em sua busca por Utnapishtim, em um ponto de sua jornada, Gilgamesh acabou nos portões do submundo. Foi aí que ele conheceu Siduri, um taverneiro do submundo. Diferentes versões do épico dão diferentes relatos da interação entre Siduri e Gilgamesh. Também conhecida como a deusa da produção de vinho e fabricação de cerveja, Siduri fica bastante alarmada quando Gilgamesh ameaça esmagar a taberna se ela não o ajudar em sua busca.

No começo, Siduri tenta ao máximo conversar com Gilgamesh sobre sua busca pela vida eterna, uma missão que ela considerava uma boba. Em última análise, ela o envia para Urshanabi, o barqueiro, cuja ajuda foi essencial para ele ter sucesso em sua busca.

4. Epopéia de Gilgamesh: antiga versão babilônica

Épico da tabuleta de Gilgamesh

Também referida como a versão "anterior" ou "mais antiga", esta versão é encontrada nas mais antigas tabuletas cuneiformes inscritas com detalhes do épico. Datada de 2000 a 1500 aC, a antiga versão babilônica da epopéia é, no entanto, considerada incompleta, com alguns de seus tabletes faltando e os descobertos tendo lacunas definidas em sua narração. Os historiadores acreditam que o épico pode ser ainda mais antigo que esta versão. No total, existem oito tabletes diferentes na versão antiga da Babilônia. Cada tablet recebe seu nome de sua localização atual ou de seu local de descoberta.

3. Epopéia de Gilgamesh: Versão Akkadiana Padrão

Epopéia de Gilgamesh: Versão Akkadiana Padrão

Esta é de longe a versão mais popular e bem preservada, composta por Sin-liqe-unninni em algum lugar entre 1300 e 1000 aC na Mesopotâmia contemporânea. Foi descoberto por Hormuzd Rassam nas ruínas da biblioteca de Assurbanipal em Nínive. As versões padrão acádico e babilônico antigo têm duas frases de abertura diferentes e distintas. Em textos cuneiformes, essas palavras de abertura são conhecidas como "incipit". O incipit na versão da antiga Babilônia abre com as palavras Superando todos os outros reis, enquanto na versão padrão diz: Aquele que viu o profundo. Na segunda frase, a palavra “profundo” é traduzida da palavra acadiana nagbu, que os lingüistas interpretaram como tendo o significado de “mistérios desconhecidos”.

A versão acadiana padrão consiste em 11 tabletes que mapeiam toda a história de Gilgamesh desde seu nascimento até sua amizade com Enkidu e, em seguida, sua jornada final em busca da vida eterna. A tabuinha final conclui o épico recontando como Gilgamesh alcança o conhecimento para adorar os deuses e decide virtuosamente viver o resto de sua vida como um rei sábio. Um 12th tablet foi adicionado à versão acadiana em uma data posterior como uma sequela para os 11 comprimidos originais.

2. Referências Bíblicas

Epopéia de Gilgamesh: Utnapishtim leva sete dias para construir a arca

A Epopéia de Gilgamesh e a Bíblia Hebraica têm temas e histórias surpreendentemente semelhantes. Talvez o evento mais conhecido que ocorre nas duas narrativas seja a história do dilúvio. A história do dilúvio do épico é quase exatamente igual à história da arca de Noé na Bíblia.

As semelhanças não param por aí. Os eventos da história da epopéia são muito parecidos com episódios no Gênesis da Bíblia, como a serpente que perde sua chance de pegar a planta da vida eterna e a conclusão final de Gilgamesh de que a vida mortal só pode ter sentido se aceitar sua humanidade. Dito isto, há diferenças nas histórias também. Por exemplo, na Bíblia, Noé leva 100 anos para construir a arca enquanto, no épico, Utnapishtim tinha apenas sete dias para completá-la. Da mesma forma, onde choveu sem parar por 40 dias na Bíblia, só choveu por sete dias no épico.

Veja também:
Top 11 invenções e descobertas da Mesopotâmia

1. Epopéia de Gilgamesh: Influências na Arte e Literatura

Epopéia de Gilgamesh: A mais antiga obra-prima da literatura cuneiforme

A Epopéia de Gilgamesh é agora considerada uma das mais antigas obras-primas da literatura cuneiforme, ganhando lentamente reconhecimento e popularidade. Ao longo do tempo, tem sido através de múltiplas adaptações e recontagens pelas gerações subseqüentes. Uma vez que contém os temas universalmente atraentes de amizade, mortalidade e a natureza dos deuses, o épico teve uma enorme influência na formação da literatura das culturas subseqüentes.

Antigas epopéias gregas de artistas como Homyssey e The Iliad têm semelhanças claras com os vários episódios da Epopéia de Gilgamesh. Na era moderna, o épico ganhou uma audiência muito maior durante o período pós-Primeira Guerra Mundial. No momento em que a Segunda Guerra Mundial terminou, ela já estava sendo apresentada em vários gêneros de arte e literatura.

Conclusão

A rica história da Epopéia de Gilgamesh coloca seu legado além de um simples artefato arqueológico. Sim, o épico tem seu quinhão de reviravoltas bizarras e teorias bastante incomuns sobre a criação do universo. Ele também foi recontado e reformulado inúmeras vezes, o que pode ter alterado significativamente o enredo original. Apesar de tudo isso, o conto da epopéia continua fascinante, seja em termos da monumental aventura que Gilgamesh expõe, ou em termos da poderosa mensagem que o épico transmite aos seus leitores.

Deixe um comentário