11 Fatos Surpreendentes e Fascinantes sobre os Imperadores Romanos

Mais de 150 soberanos governaram a Roma antiga antes que o Império Ocidental caísse; o Império do Oriente continuou por mais algum tempo. O primeiro imperador romano foi Augusto César em 27 aC, e o último foi Romulus Augustulus cujo reinado terminou em 476 dC. Os soberanos romanos frequentemente pegavam títulos como “Augusto”, “César” e “Imperador” para enfatizar sua importância.

Em 27 aC, Roma tornou-se uma república. Isso foi causado por Júlio César, e seu filho Otávio (Augusto) é geralmente considerado o primeiro imperador romano. No entanto, alguns historiadores acreditam que o próprio Júlio César era soberano, pois ele era muito poderoso e tinha controle absoluto do Senado.

Muitos dos governantes da Roma antiga contribuíram para o incrível progresso e expansão do Estado, enquanto outros como Calígula e Nero trouxeram o abuso, o medo e o caos. Abaixo está uma lista dos 12 principais fatos fascinantes sobre esses poderosos líderes:

1. A Guarda Pretoriana

Guarda pretoriana

Os imperadores usaram uma unidade militar de elite chamada Guarda Pretoriana para protegê-los. Os membros da guarda eram responsáveis ​​pela segurança do imperador e sua família, mas também tinham outros papéis, como policiamento em massa e subjugação de rebeliões.

A Guarda Pretoriana era um movimento político poderoso e muitas vezes interferia na política de alto nível. Os prefeitos pretorianos eram funcionários de alto escalão dentro da guarda, e eles frequentemente lideravam o caminho em conspirações para derrubar o imperador. Alguns desses planos tiveram sucesso, como pode ser visto na ascensão de Cláudio ao poder em 41 dC após a destruição de Calígula. Os prefeitos sabiam que poderiam esperar receber uma recompensa generosa por seu apoio.

2. Desafios ao Imperador

A Batalha de Lugdunum, também chamada de Batalha de Lyon, foi travada em 197 dC entre o imperador Septímio Severo e Clódio Albino, o governante administrativo da Bretanha romana e um desafiante do próprio imperador.

Estima-se que 300.000 romanos participaram dessa batalha, 75% do número total de soldados romanos em todo o império na época. A luta foi equilibrada e, finalmente, Severus foi triunfante – apenas.

3. Do primeiro ao último

Os primeiros e últimos chefes de Estado romanos, pelo menos no ocidente, eram ambos chamados de Augusto. O último imperador tomou o nome completo Romulus Augustulus, que foi provavelmente uma referência a Romulus, um dos gêmeos que é creditado com a fundação original do estado romano. Infelizmente, ficou claro que simplesmente nomear-se depois de uma grande figura da história não era suficiente para manter o império unido.

4. Poderes do Imperador

Um título do imperador romano, Princeps Senatus, significava que ele era chefe do Senado, presidia suas sessões, guiava suas discussões e definia suas regras e padrões. Ele tinha o poder de contratar e demitir à vontade, convocar o Senado para a sessão sempre que quisesse e vetar qualquer uma das decisões do Senado. Como Pontifex Maximus, o imperador era o líder religioso, com poder total sobre as virgens vestais. Ele também controlava as finanças do país.

5. Diocleciano

Imperador romano de Diocleciano

Pode parecer estranho incluir o imperador Diocleciano nesta lista, já que ele é mais conhecido pela decisão de separar a administração de Roma em dois, nomeando Marco Aurélio Maximiano como co-governante, cada um com um subordinado conhecido como césar, em quatro. Separação de potência de saída conhecida como tetrarquia. No geral, Diocleciano era um governante decente e capaz de manter seu sistema de governo unido quando Roma estava sob pressão de inimigos externos. O que inclui Diocleciano aqui, no entanto, é seu tratamento completamente selvagem dos cristãos.

📒 Leia online gratuitamente centenas de livros de História Antiga

Os cristãos haviam sido, por algum tempo, respeitados pela maioria dos romanos e tratados com uma mistura de antipatia e tolerância, mas Diocleciano embarcou na aniquilação total do cristianismo. Igrejas foram demolidas, textos sagrados queimados e ministros cristãos presos e forçados a renunciar à sua religião sob pena de morte. Cristãos que não renunciaram foram atormentados e executados.

Esse comportamento foi realmente bizarro, pois os romanos geralmente eram muito tolerantes com diferentes religiões. Pode ter sido uma indicação da própria insegurança e medo de sobrevivência de Diocleciano; O cristianismo representava um afastamento das crenças religiosas romanas tradicionais que ele não podia tolerar.

Diocleciano foi o primeiro imperador a abdicar em uma elaborada cerimônia de abdicação, e acredita-se que isso seja devido a problemas de saúde. Ele retirou-se em silêncio para cuidar de sua horta.

6. O Anticristo

Acreditava-se geralmente que, mesmo depois de seu suicídio, Nero vivia como o Anticristo. Muitas pessoas acreditavam que ele voltaria, e o fato de seu corpo nunca ter sido encontrado fortaleceu essa convicção. Depois de sua morte, não havia menos que três homens que professavam ser o Nero retornado. Os cristãos estavam convencidos de que ele era o Anticristo que logo retornaria do inferno para atormentá-los.

7. Tibério

Imperador romano Tibério

Tibério era o improvável sucessor de Augusto, sendo um filho adotivo. Augusto não esperava que Tibério o sucedesse, mas estava lutando entre os netos do imperador Caio e Lúcio (que Augusto também havia adotado), e a decisão de Augusto de expulsar sua prima, Agripa Postumus, que colocou Tibério na linha pela sucessão.

Tibério era um oficial militar habilidoso e membro do Senado. No entanto, ele tinha uma natureza suspeita e insegura que o levou a remover aqueles que ele via como uma ameaça. Como parte desses expurgos, ele exilou Agripina, a viúva de seu sobrinho, o herói de guerra Germanicus.

Tibério recuou para a ilha de Rodes, restabeleceu a acusação de maiestas (traição), e usou isso para condenar à morte qualquer um que ele desconfiasse. Os historiadores romanos Suetônio e Tácito descrevem esse retiro como o resultado da difícil relação de Tibério com sua esposa, que não era fiel a ele, mas isso poderia ser especulação.

Tibério não era um grande líder, mas sim o tom do que estava por vir.

8. Nero

Nero Imperador Romano

Nero foi um governante implacável, e ele foi fundamental na morte de muitos homens, incluindo seu mentor, o escritor Seneca. Ele teve sua própria mãe morta, e ele deixou sua esposa, Octavia, por sua amante Poppeaea, com quem ele se casou mais tarde. Ele exilou Octavia e depois a executou com uma acusação fabricada de infidelidade.

Apesar de ser um imperador brutal e implacável, Nero também gostava de música e poesia, muitas vezes obrigando as pessoas a assistir a interpretações de suas longas composições. Em um ponto, ele insistiu em ser coroado o vencedor dos Jogos Olímpicos. Poucas fontes pintam o Nero sob uma luz favorável; ele era geralmente um líder profundamente impopular.

9. Gaio (Calígula)

Imperador romano de Gaius Caligula

Caio, também conhecido como Calígula, ou "botas pequenas", era mais conhecido pelos desenvolvimentos que ele fazia na guerra naval. Gaius minou o Senado, declarando que qualquer um poderia servir como senador, até mesmo seu cavalo (embora se acredite que ele nunca foi adiante com essa nomeação). Como Tibério, ele tinha o hábito de se livrar de qualquer um que o desafiasse, genuíno ou imaginário.

Apesar de se considerar divino e imortal, Calígula encontrou o seu fim quando foi assassinado por Cassius Chaerea, um membro da Guarda Pretoriana, durante os Jogos Palatinos em 41 dC.

10. Commodus

Commodus

Cômodo era filho de Marco Aurélio e a história relata que Commodus era o oposto exato de seu pai. Vaidoso e egoísta, Commodus levou à falência o tesouro romano e, na tentativa de aumentar os fundos, matou os nobres locais para poder se apropriar de sua propriedade e vendê-la.

Em pouco tempo, as pessoas (incluindo sua própria irmã) estavam conspirando contra ele. As tramas foram frustradas, e Commodus continuou a executar qualquer um que ele acreditasse estar tramando contra ele, ou qualquer um que ele pensasse que poderia fazer no futuro. Ele acabou sendo assassinado por um membro da guarda pretoriana que o estrangulou no banho.

11. Império Romano do Oriente

Com o tempo, o Império Romano estendeu suas fronteiras a tal ponto que se tornou vagamente definido como as regiões leste e oeste. As duas zonas mantiveram suas próprias culturas e tradições distintas até que, em 293 dC, o imperador Diocleciano separou formalmente o leste e o oeste e designou governantes para governar cada região separadamente. Esta divisão resultou nos impérios romanos orientais e ocidentais.

Conclusão

Nos primeiros 500 anos de sua história, nenhuma pessoa detinha o poder absoluto em Roma, mas tudo isso mudou nos 500 anos que se seguiram. Muitas das estruturas anteriores da República Romana permaneceram no lugar, mas o Império Romano tinha um governante geral, o auto-declarado imperador divino.

As duas metades do Império Romano (leste e oeste) caíram em épocas diferentes. O Império Romano do Ocidente terminou em 476 dC, quando o último imperador romano, Romulus Augustulus, foi conquistado pelo alemão Odoacer. O Império Romano do Oriente terminou com a queda de Constantinopla para o Império Otomano em 1453 AD.

Deixe um comentário