10 eventos mais importantes no antigo Egito

A história do antigo Egito remonta a 3100 aC, quando os nômades chegaram e criaram os primeiros assentamentos na região norte do vale do Nilo. Acredita-se que a civilização durou cerca de 3.000 anos durante os quais várias invasões ocorreram.

Essas invasões resultaram em uma mistura de culturas e tradições, sendo uma das mais famosas a vitória de Alexandre o Grande em 332 aC. Durante seu governo, ele ganhou respeito e amor do povo devido à sua prática de tolerância religiosa e cultural. Os persas, por outro lado, eram admirados por seus jardins reais, enquanto os núbios e os assírios pretendiam unir o Alto e o Baixo Egito.

A história do antigo Egito é dividida em vários períodos de tempo, cada um definido por um faraó governante. No entanto, o sequenciamento dos eventos permanece incerto e os estudos ainda estão em andamento. Neste artigo, tentaremos fornecer uma visão geral dos 10 eventos mais importantes do Egito antigo:

1. Egito pré-histórico

O Egito pré-histórico se refere à época em que os primeiros colonos fizeram suas casas ao longo do rio Nilo. Segundo os egiptólogos, os assentamentos começaram por volta de 3100 aC, que é referido como o período dinástico inicial. No entanto, existem muito poucos restos, por isso os pesquisadores não conseguiram determinar o seu fim exato. É por isso que os termos dinastia zero, dinastia 0 ou período protodinâmico são usados ​​para descrever o fim dessa era.

Acredita-se que o Egito pré-histórico foi governado por muitos faraós como Narmer, Hor-Aha e Menes e foi dividido em segmentos culturais devido à presença de diferentes assentamentos egípcios. Há muito debate sobre essa divisão, já que tais assentamentos também foram descobertos para o Período Pré-Dinástico, de modo que a divisão deve ser subjetiva, a fim de facilitar a compreensão gradual da era.

Ao longo dos anos, os arqueólogos encontraram muitas evidências em partes do Alto Egito, mas menos no Baixo Egito, que culpam os pesados ​​depósitos de lodo encontrados dentro e ao redor da região do delta. Durante a inundação, o lodo seria depositado na região, resultando no enterro de todos os locais do delta.

2. Construção da Pirâmide Escalonada em Saqqara

Pirâmide de Djoser

A palavra "Saqqara" em árabe refere-se a um antigo cemitério para faraós egípcios. A pirâmide de degraus foi construída para este propósito e serviu como um túmulo para o faraó Djoser. É a primeira das estruturas da pirâmide egípcia.

Após a morte de Djoser no século 27 aC, seu alto funcionário Imhotep começou e dirigiu a construção da pirâmide escalonada. O projeto consiste em seis etapas ou mastabas, colocadas em camadas umas sobre as outras e diminuindo de tamanho. Em outras palavras, assemelha-se a uma escadaria de túmulos de faraó que conduzem aos portões do céu.

A pirâmide era originalmente uma forma mastaba quadrada, mas depois foi alterada para retangular. Toda a estrutura se mistura com a parede perimetral circundante. Arqueólogos acreditam que o projeto original mediu 62 metros com uma base de 109 x 125 metros. Após a construção, foi coberto de calcário.

A pirâmide é cercada por uma parede espessa que forma um pátio espaçoso junto com uma entrada esculpida. No lado sudeste, um enorme salão foi construído onde os restos do faraó foram enterrados. Alguns prédios extras também foram feitos para que o faraó pudesse andar em sua vida após a morte. Todo o complexo é cercado por uma trincheira de 40 metros que fornece defesa extra. No interior, os caminhos formam uma série de labirintos que ajudam na defesa contra ladrões de túmulos. A pirâmide da etapa constitui uma parte essencial da cultura egípcia e é conhecida por seu design excepcional.

📒 Leia online gratuitamente centenas de livros de História Antiga

3. Construção das Pirâmides de Gizé

A, grande pirâmide, em, giza, egito

A Grande Pirâmide de Gizé e as outras duas pirâmides menores no local servem como sepulturas de faraós egípcios, a saber, Khufu, Khafre e Menkaure. A Grande Pirâmide de Gizé também era conhecida como a Pirâmide de Khufu e tem 147 pés de altura.

Khufu começou a construir a pirâmide em 2550 aC e acredita-se que um total de 2,3 milhões de blocos de pedra foram usados ​​para construir o monumento. O peso médio de cada tijolo de pedra foi de cerca de 2,5 a 15 toneladas.

A segunda pirâmide foi construída pelo filho de Khufu, Khafre, e a construção começou em 2520 aC. É marcada por uma característica única de calcário chamada esfinge, com a metade de trás se assemelhando a um leão e a metade da frente, a cabeça do faraó. A Pirâmide de Menkaure é a menor das três e serve mais como um templo de luto e oração.

Os egípcios empregaram técnicas inovadoras de construção para construir esses complexos maiores que a vida. Todos os trabalhadores eram altamente qualificados e dedicados à causa de seu faraó.

4. Fim do Reino Antigo

Este foi um momento significativo na história do antigo Egito, quando a política e a corrupção levaram à destruição de todo um império.

O período da terceira à sexta dinastia é referido como o Reino Antigo. Naquela época, Memphis era a capital real e o faraó Unas governou o reino. No entanto, houve um súbito levantamento do governo em que os notáveis ​​ou oficiais estabeleceram autonomia sobre as regiões centrais e gradualmente derrubaram Unas.

O conflito entre o Faraó Unas e os nomarcas piorou as condições econômicas do país. A fome e a doença aumentaram a uma taxa exponencial, resultando na morte de muitas pessoas inocentes. Os conflitos também poderiam estar ligados à recorrência de más colheitas, que contribuíram muito para a escassez de alimentos. Ambas as razões combinadas levaram à eventual queda do Antigo Império.

5. A ascensão do Reino do Meio

O colapso do Reino Antigo levou à morte de muitas pessoas e esse declínio na população continuou por mais de 200 anos no Primeiro Período Intermediário.

O Egito era uma zona de guerra civil onde as regiões superior e inferior do Egito estavam divididas por combates. No entanto, por volta de 2055 aC, as cruzadas civis foram interrompidas e o Alto Egito saiu vitorioso, após o qual as regiões se reuniram e Mentuhotep II iniciou seu reinado como o novo faraó da 11ª dinastia. O reino prosperou até a 13ª dinastia, quando os faraós foram considerados menos superiores aos nomarcas.

Os nomarcas controlavam o povo e formavam um poderoso governo que era apoiado por sua riqueza. No entanto, em direção à 12ª dinastia, seu poder começou a declinar, e isso levou à queda do Império do Meio.

6. Segundo Período Intermediário

Como mencionado anteriormente, a história do antigo Egito foi dividida em períodos de tempo e o Segundo Intermediário foi um dos que testemunharam a influência da cultura asiática. Descreve a era após a Idade Média e antes do Novo Reino.

Durante essa era, o Egito foi novamente dividido e governado por três partidos, a saber, os hyskos no norte, o controle egípcio sobre Tebas e os núbios localizados no sul do Egito. Assim como o Primeiro Período Intermediário, essa era incluiu guerras, derramamento de sangue e corrupção maciça. No entanto, vários arqueólogos afirmam que o período não foi tão horrível como foi descrito nas escrituras egípcias.

Tebas tornou-se a capital do Egito, onde o comércio e a imigração aumentaram. Este movimento trouxe várias pessoas semitas que se elevaram em riqueza e poder para influenciar a então nação egípcia. O povo egípcio os chamava de Hyskos, ou governantes de terras estrangeiras, que traziam destruição para onde quer que fossem. O Hyskos criou muitos conflitos. Eles saquearam templos, oprimiram os fracos e molestaram mulheres. Mas tudo isso chegou ao fim quando Ahmosé de Tebas se tornou o faraó e expulsou os Hyskos de todas as terras egípcias.

7. A ascensão do novo reino

O reinado de Ahmose de Tebas marcou o início do Novo Reino. Era uma era de crescimento e prosperidade quando as pessoas eram ricas e tinham acesso a todas as comodidades cívicas. As dinastias 18, 19 e 20 faziam parte da hierarquia real. De fato, alguns dos mais poderosos faraós egípcios, incluindo Ramsés II, Akhenaton, Tutankamon e Tutmés III, pertencem a essas dinastias.

Durante esse período, os egípcios exploraram e conquistaram muitas terras localizadas na região sul do árabe. Kush, Núbia, Líbano, Síria e Israel foram todos conquistados na busca de novos recursos e oportunidades. Essa expansão também abriu o caminho para o comércio. As minas de ouro da Núbia eram usadas para importar ouro, enquanto o povo esculpia e criava itens de luxo para ganhar muito dinheiro.

Os faraós demonstraram muita grandeza e construíram templos enormes com sua própria riqueza. Alguns dos mais famosos edifícios religiosos incluem o Templo de Luxor, o complexo do templo de Karnak, o Templo de Hatshepsut e Abu Simbel.

Outra maravilha arqueológica foi o Vale dos Reis, que serviu como cemitério para todos os faraós do Novo Reino. Uma das descobertas mais recentes no Vale dos Reis foi o túmulo de Tutancâmon. A estrutura foi encontrada intacta e ornamentos de ouro foram descobertos enterrados junto com o corpo do rei Tutancâmon.

O Novo Reino começou a desmoronar durante o reinado de Ramsés III. Ele lutou muitas batalhas, mas a batalha contra o povo do mar e tribos da Líbia enfraqueceu grandemente sua economia. Essas batalhas contínuas também resultaram em escassez de alimentos, mais fome e menos oportunidades de emprego. A corrupção interna também desempenhou um papel importante no enfraquecimento da economia. Ramsés III foi o último governante deste império que deu origem ao Terceiro Período Intermediário.

8. Terceiro Período Intermediário

O Terceiro Período Intermediário começou por volta de 1078 aC e marca a queda dos faraós egípcios. Várias forças podem ser responsabilizadas por sua queda, mas a mais devastadora foi a invasão de forças estrangeiras, como os assírios e líbios.

Os sacerdotes localizados na cidade de Tebas começaram lentamente a ganhar poder e eventualmente governaram a parte sul do país. A divisão do poder impactou fortemente a economia e as pessoas sofreram com a escassez de alimentos e água.

Os líbios atacaram o Egito por volta de 943 aC e isso deu início ao governo da monarquia estrangeira. Um dos mais famosos líderes líbios, Shoshenq I, foi responsável por reunir as partes norte e sul do Egito. Esta paz durou quase um século e os três sucessores de Shoshenq vivi uma vida próspera. No entanto, em 853 aC os assírios atacaram o Egito e ele foi dividido em duas regiões: Shoshenk III governou o Baixo Egito enquanto Takelot II e seus aliados governaram o Médio e Alto Egito.

Em 700 aC, as forças assírias conquistaram uma aliança com os países vizinhos e conquistaram toda a região egípcia. Os assírios começaram a governar a terra e se chamaram reis de Saite. Seu reinado continuou por quase um século até que as forças persas entraram no Egito.

9. Quando Alexandre conquistou o Egito

Alexandre, o Conquistador

Tanto as forças persas e núbios foram bem sucedidas na conquista do Egito e seu reinado durou um par de séculos. No entanto, eles não tinham conhecimento do crescimento dos gregos e seu líder Alexandre, o Grande.

Em 332 aC, Alexandre conquistou o Egito ao derrotar os persas. Os egípcios gostavam dele como líder, respeitando sua religião e povo. Ele ficou tão encantado com sua cultura que começou a usar sua vestimenta tradicional e a estudar muitas de suas escrituras.

Alexandre conquistou muitas regiões e até nomeou cidades depois de si mesmo. No Egito, ele fez o mesmo e tornou a cidade de Alexandria a nova capital do Egito. De fato, ele utilizou a maior parte da riqueza egípcia para conquistar o restante do Império Persa.

10. A dinastia ptolomaica

Império ptolemaico

A dinastia ptolomaica foi a última hierarquia governante do Egito. Quando Alexandre, o Grande, faleceu, seu general Ptolomeu I sucedeu ao trono. Isso marcou o início da dinastia ptolemaica, que durou três séculos.

A última governante da dinastia ptolomaica foi a rainha Cleópatra VIII, que cometeu suicídio, marcando o fim do reino ptolemaico, após o qual os romanos e árabes governaram o país.

Deixe um comentário