10 invenções e descobertas do antigo Egito

A antiga civilização egípcia pode ser rastreada até aproximadamente 3000 aC e durou até 30 aC, quando se tornou parte do Império Romano. Sua longa duração mostra que a civilização estava provida de todas as necessidades, como um bom ambiente natural, incluindo água, peixes, solo fértil e plantas, mas também com arquitetura rica, como visto nas pirâmides, que exigiam o uso de medições precisas e matemática, e materiais duráveis. Quando falamos sobre o Egito, muitas coisas podem vir à mente: a beleza de Cleópatra , ou talvez a gloriosa máscara de Tutancâmon. Alguns de vocês também podem pensar no sistema de escrita pictórica conhecido como hieróglifos, que foram encontrados esculpidos e escritos em muitas superfícies diferentes, como papiro, pedra e madeira. Então, como você pode ver, por muitos anos, os antigos egípcios prosperaram. Vamos dar uma olhada em algumas das principais invenções egípcias antigas que as pessoas estão mais curiosas sobre:

10. Matemática

Matemática egípcia

Nos livros de história, os gregos geralmente aceitam o crédito pela invenção da matemática. Eles eram qualificados em matemática e astronomia, mas a verdade é que eles aprenderam com os egípcios. A principal diferença é que a geometria e a aritmética egípcias foram usadas principalmente para aplicações práticas: medições, transações comerciais, como construir pirâmides e cortar rochas. A matemática não era vista como uma ciência teórica.

Nas escolas egípcias, o currículo incluía esportes, mas para aqueles que pretendiam continuar a estudar, a ênfase era colocada na escrita (para treinar o personagem) e na matemática. Acredita-se que os egípcios tenham introduzido o primeiro sistema básico de numeração de 10 números já em 2700 aC e talvez até mesmo antes. O texto matemático mais antigo do antigo Egito é o Papiro de Moscou, descoberto por volta de 2000 aC. Os antigos gregos mais tarde desenvolveram e melhoraram o que os egípcios haviam inventado.

9. Calendário e Relógio

Calendário e relógio, Egito

Os egípcios dividiram o tempo em três períodos principais: a estação de inundação (akhet), que durou um terço do ano; a semeadura e crescimento das lavouras (perit); e a colheita (shemu). Estas três estações consistiram, cada uma, em 120 dias e constituíram um ano civil. Para marcar o início de cada ano, eles escolheram o surgimento da Estrela do Cão, visível a olho nu. Depois de algum tempo, ficou evidente que o calendário era curto, mas o início do ano civil coincidiu com o início do ano agrícola.

Os egípcios estavam entre os primeiros a dividir seus dias em partes. Obeliscos – monumentos delgados de quatro lados – eram usados ​​como relógios de sol de 3500 aC e suas sombras em movimento permitiam que as pessoas separassem o dia em partes, começando ao meio-dia. Mais tarde, eles inventaram o primeiro relógio portátil de sombras que era tão leve que as pessoas podiam carregá-lo com eles. Uma vara foi marcada com 12 seções e uma sombra da haste diria que horas eram. Além disso, registros e documentos históricos foram mantidos do reinado de cada rei.

8. Governo

Estrutura do governo egípcio

O antigo Egito era um país governado por lei, mas também era governado por um único homem, a figura centralizada do faraó. O faraó era ainda mais alto que um rei, visto que ele era visto como um deus vivo. Os faraós receberam o direito divino de governar e sua coroação fez deles a encarnação de deus. Teoricamente, eles possuíam toda a terra e as pessoas. No entanto, eles estavam cautelosos para não ofender a deusa da verdade, Ma'at, porque até mesmo o faraó estava sujeito ao seu poder. Sua única responsabilidade era manter a harmonia universal no país.

Em comparação com outras civilizações antigas, o Egito era o país menos guerreiro do mundo antigo. Sua geografia e recursos naturais forneciam proteção e alimento, portanto não havia um exército profissional por muito tempo. Os faraós eram os líderes do povo em todos os aspectos de suas vidas – políticos, religiosos, etc., e não havia necessidade de poder militar. Mais importante do que qualquer outra coisa era o aspecto religioso de seu governo. As pessoas estavam dispostas a segui-las para alcançar a grandeza na vida após a morte. A ressurreição de um faraó após a morte e continuação como um deus no próximo mundo foi de importância crucial para a sobrevivência do Egito.

7. Biblioteca

Antiga biblioteca egípcia

A biblioteca antiga mais famosa era a Biblioteca Real de Alexandria, no Egito. Foi uma das maiores e mais importantes bibliotecas do mundo antigo, dedicada às Musas, as nove deusas das artes. Embora a biblioteca não seja uma invenção per se, foi extremamente importante para a coleta de todo o conhecimento da antiguidade em um só lugar. Foi fundada em Alexandria por volta de 300 aC, por Ptolomeu I Soter, que governou o Egito após a morte de Alexandre, o Grande. Seu objetivo era estabelecer um centro de aprendizado e reunir todas as informações conhecidas sobre o mundo exterior em um só lugar. Continha mais de um milhão de rolos de papiro sobre temas de literatura, história, direito, matemática e ciências.

6. Vinho

Vinho egípcio antigo

O vinho era uma bebida muito popular no antigo Egito. Os egípcios podem não ter sido os primeiros a inventá-lo, mas há obras de arte da época mostrando seus processos de fabricação, que eram muito semelhantes aos que temos hoje. Videiras foram cuidadosamente cultivadas e apoiadas por pilares de madeira. As uvas foram colhidas e colocadas em cestas, onde cinco ou seis homens as pressionaram com um utensílio de madeira projetado para deixar o suco para trás. Finalmente, o vinho era guardado em grandes fornos feitos de barro e grandes potes de cerâmica. Em geralmente era mantido em porões, junto com óleo e comida. Também foram feitos barris para os túmulos egípcios como um símbolo para manter o corpo nutrido. Há um mito de que a flor de lótus poderia produzir uma forte poção narcótica quando misturada ao vinho. O vinho era exportado de Alexandria pelo Nilo, que era usado como uma rota de comércio, também transportando outros bens como talheres, bronze, cerâmica e óleo.

5. Cosméticos

Egípcios ricos desfrutavam de um estilo de vida sofisticado que refletia sua classe social, então dedicaram muito tempo à sua aparência pessoal. As perucas eram muitas vezes usadas não apenas para fins de estilo, mas também como proteção, pois as pessoas precisavam proteger sua pele do clima seco e do sol forte. Os egípcios também eram famosos por seus perfumes feitos, por exemplo, do óleo de lírios. Os pelos corporais e faciais foram removidos com lâminas ou cremes depilatórios. É interessante que ambos os sexos usassem maquiagem e perucas. Para maquiagem, os egípcios usavam três tipos de tinta para os olhos. Os mais famosos eram kohl preto, malaquita (minério de cobre verde) e galena (minério cinza escuro de chumbo) para os olhos. Vermelho ocre foi usado como rouge e, quando misturado com óleo, como um brilho labial.

📒 Leia online gratuitamente centenas de livros de História Antiga

Não é surpresa que, quando se tratava de beleza, Cleópatra fosse conhecida como uma das mulheres mais belas da história. Muitos de seus segredos ainda são usados ​​hoje, por exemplo, vinagre de maçã como um toner facial, banhos de leite e mel para suavizar a pele, aloe vera para hidratação, hena natural para unhas, óleo de amêndoas para peles mais jovens e mel para sedosos. cabelo.

Os egípcios também fizeram a primeira receita para a pasta de dente que incluía pó de casca de ovo (que não era muito agradável), assim como as primeiras balas de menta feitas de canela cozida com mel, pinho e frutas vermelhas. Mais uma coisa: os egípcios adoravam jóias. Já mencionamos os encantos mágicos que eles usaram para se proteger contra doenças, acidentes e desastres naturais. Descobertas arqueológicas de jóias reais, como o tesouro das rainhas e princesas, não podem ser igualadas hoje.

4. Mumificação

Mumificação Egípcia Antiga

Os antigos egípcios acreditavam em muitos deuses e deusas, e eles também acreditavam fortemente na vida após a morte. Então, quando um faraó morreu, seu ka ou força vital deixaria seu corpo, mas apenas temporariamente. O ba, por outro lado, era o espírito de uma pessoa. Era importante preservar o corpo porque o espírito retornaria. Para que isso acontecesse, os antigos egípcios criaram um processo chamado de mumificação, com o objetivo de preservar os corpos de se decomporem após a morte.

Todos os órgãos internos foram cuidadosamente removidos e mantidos em frascos com óleo de palma e água, todos exceto o coração que se acreditava ser a essência da pessoa. Cada órgão tinha um frasco diferente e havia quatro no total: um para o estômago, um para os intestinos, um para os pulmões e um para o fígado. Estes eram os órgãos importantes. Eles foram colocados de volta no corpo após serem lavados, secos e embrulhados. Os frascos foram mantidos ao lado do corpo. Após o processo, os corpos foram embrulhados em linho e colocados em túmulos especiais nas pirâmides. Eles foram colocados juntos com encantos ocultos, chamados amuletos, para protegê-los do mal. Há um mito de que todos os túmulos tinham maldições que afetariam qualquer um que entrasse. A máscara mais famosa de uma múmia pertencia ao rei Tut, também conhecido como Tutankhamon, e foi descoberto em 1922.

3. Medicina

Medicina no antigo Egito

O Papiro de Edwin Smith é um texto médico sobre cirurgia do antigo Egito escrito por volta de 1600 aC. Isso mostra que os egípcios inventaram a cirurgia médica, precedendo o juramento de Hipócrates por mil anos. Ele descreve casos cirúrgicos de lesões na cabeça, pescoço e tórax e inclui uma lista de instrumentos usados ​​durante a cirurgia. Os primeiros instrumentos foram encontrados dentro do túmulo de Qar, que era conhecido como "o médico do palácio e guardião dos segredos do rei". O antigo Egito também era conhecido como o ponto de partida da neurociência.

A medicina egípcia era uma mistura de tratamentos mágicos e racionais. Ambos os métodos eram igualmente válidos: quando a causa era visível e objetiva, se utilizavam tratamentos científicos e quando a causa estava oculta (e poderia ser uma punição dos deuses ou os maus desejos dos inimigos), a magia era empregada. Tudo foi baseado no grande conhecimento de anatomia dos egípcios como resultado da mumificação.

2. Hieróglifos

Hieróglifos, antigo Egito

Descobertas arqueológicas sugerem que os hieróglifos egípcios podem ser a forma mais antiga de escrita, datada de cerca de 3300 aC. Junto com os mesopotâmicos, os egípcios foram os primeiros a desenvolver sua linguagem em uma forma codificada de escrita. As primeiras formas eram imagens.

Embora a escrita deles tenha mudado com o tempo, eles deliberadamente preservaram as figuras hieroglíficas em suas formas originais. Folhas de papiro foram os primeiros materiais usados ​​como papel, bem como pedras e madeira. Goma vegetal mista e cera de abelha foram usados ​​para fazer tinta preta para escrever. O papiro foi exportado para todo o Mediterrâneo, o Império Romano e o Império Bizantino. Um marco na história foi a descoberta da Pedra de Roseta no delta do Nilo, durante a expedição de Napoleão Bonaparte ao Egito em 1799. Seu impacto na decifração dos hieróglifos foi crucial.

1. Pirâmides

A, grande pirâmide, em, giza, egito

As antigas pirâmides estão definitivamente no topo da lista de antigas invenções egípcias. Eles estão entre as estruturas mais impressionantes do mundo e são formas geométricas sólidas com uma base quadrada e quatro lados triangulares iguais. Eles foram construídos principalmente como túmulos para os reis e templos religiosos. Eles foram localizados longe das principais cidades e levaram décadas para construir.

A Grande Pirâmide de Gizé, construída por volta de 2600 aC, também é conhecida como a Pirâmide de Khufu, ou a Tumba da Rainha Hetepher, e é a maior pirâmide existente. A principal câmara funerária (a Câmara do Rei) continha o sarcófago que continha o corpo de Khufu, e as paredes estavam cobertas de hieróglifos representando vários aspectos da vida egípcia como decoração. Havia também câmaras de alívio de peso para evitar que a pirâmide desmoronasse, uma galeria com grandes passagens ligando as câmaras e poços de ar que também serviam como saídas.

1 comentário em “10 invenções e descobertas do antigo Egito”

Deixe uma resposta para JORGE FERNANDO LINHARES DA SILVA Cancelar resposta