10 Maiores Eventos da Segunda Guerra Púnica

Roma Antiga e Cartago tinham uma longa história de conflito que durou mais de um século. Toda essa tensão culminou em uma série de três guerras travadas entre os dois estados, de 264 aC a 146 aC. Essas guerras foram chamadas de Guerras Púnicas. A Segunda Guerra Púnica foi travada de 218 aC a 201 aC e é mais lembrada pelas enormes batalhas travadas entre os cartagineses sob Aníbal e os romanos sob vários generais diferentes. Embora o exército de Aníbal tenha invadido a Itália pelo norte e derrotado de maneira retumbante o exército romano em várias batalhas, ele nunca conseguiu alcançar o objetivo final de causar um rompimento político entre Roma e seus aliados. Havia três frentes principais nessa guerra: a Itália, onde Aníbal derrotou os romanos em repetidas batalhas; Hispania, onde o irmão mais novo de Hannibal defendia com prazer as cidades coloniais cartaginenses; e Sicília, onde os romanos nunca perderam sua supremacia. Aqueles 17 anos de guerra foram nada se não agitado. Aqui está uma lista dos 10 maiores eventos da Segunda Guerra Púnica:

10. revoltas gaulesas

Numa altura em que Aníbal estava marchando distâncias insondáveis ​​com sua infantaria, cavalaria e elefantes de guerra, os romanos também enfrentavam uma insurreição dura entre as tribos gaulesas, agravando ainda mais a situação para eles. A população gaulesa constituía-se principalmente dos Boii e Insubres. Estes dois tinham anteriormente estabelecido relações diplomáticas com os cartagineses. Mesmo que essas tribos desprezassem os romanos, eles nunca foram capazes de fazer muito a respeito por causa de seu poder limitado.

Mas quando os cartagineses começaram sua campanha contra a antiga Roma, as tribos gaulesas prontamente fizeram uma aliança com eles para lutar contra os romanos na frente. Eles começaram ocupando as colônias romanas de Placentia e Cremona. Logo, todo o norte da Itália foi declarado insurgente, com tropas gálicas e da Ligúria reforçando o exército de Aníbal por mais 40.000 homens.

Cruzamento dos Alpes de Aníbal

Sem dúvida, um dos maiores eventos durante a Segunda Guerra Púnica foi quando Aníbal cruzou os Alpes para capturar os romanos desprevenidos. De fato, a rota de Aníbal através dos Alpes tem sido uma questão de debate entre os historiadores, com muitos deles tendo suas próprias opiniões sobre o assunto. Independentemente disso, a marcha de Aníbal e seu exército é o material da lenda até hoje.

Aníbal sempre estivera bem informado da situação em Roma, alimentado com informações secretas por seus espiões gálicos em toda a cidade de Roma. Ele logo decidiu o momento mais oportuno para realizar um ataque surpresa e começou a marcha do seu exército através dos Alpes, que eram pouco povoados na época. Do cerco de Saguntum à marcha através dos Pirineus e do Ródano e depois à subida e descida desafiadora da morte nos Alpes, a travessia de Aníbal foi uma das maiores conquistas da Segunda Guerra Púnica, e uma das realizações mais célebres de qualquer força militar na guerra antiga.

8. Uso Extensivo de Inteligência

Durante todo o conflito, a inteligência desempenhou um papel fundamental na definição da direção da guerra. Com o apoio sem precedentes que recebeu de seus aliados gauleses, Aníbal sempre foi alimentado com informações importantes sobre os acontecimentos em Roma. De fato, Aníbal tinha um serviço de inteligência que levou a algumas de suas mais notáveis ​​vitórias. Ele tinha espiões por toda a cidade de Roma; eles haviam se infiltrado no senado romano.

O famoso general romano , Cipião Africano, tirou uma folha do livro de Aníbal para fortalecer a inteligência romana. Suas principais vitórias que vieram depois na guerra foram totalmente dependentes de informações de inteligência. Quando espiões foram capturados, eles seriam punidos duramente. O mesmo aconteceu com um espião cartaginense em Roma, que poderia muito bem ter sido um cidadão romano. Ele foi pego e teve suas mãos cortadas como punição.

7. Batalha de Trebia (218 aC)

Batalha de Trebia (218 aC)

Lutada na Itália em 218 aC, a Batalha de Trebia foi uma grande batalha entre os cartagineses liderados por Aníbal e os militares romanos sob o comando de Semprônio Longo. Mais cedo, os cartagineses capturaram inteligentemente um depósito de suprimentos para servir como diversão, atraindo os romanos para a batalha no Trebia. Eles foram arrastados para a batalha após uma cansativa jornada sem comida, o resultado foi que a maioria deles não foi capaz de fazer uma boa luta.

A infantaria de 40.000 de Sempronius Longus se posicionou em uma linha tripla com 4.000 cavaleiros de lado. Hannibal, por outro lado, tinha uma mistura de infantaria africana, celta e espanhola, 10.000 de cavalaria e seus elefantes de guerra notoriamente eficientes na frente. A cavalaria de Aníbal rompeu o menor número do inimigo e depois atacou a maior parte dos romanos da frente e dos lados. Para reforçar ainda mais o ataque cartaginês, os romanos também foram atacados na retaguarda por um destacamento oculto liderado pelo irmão mais novo de Aníbal. Ao todo, os romanos sofreram pesadas perdas com apenas 20.000 homens em 40.000 capazes de se retirar para a segurança.

6. Batalha do Lago Trasimeno (217 aC)

Batalha do Lago Trasimeno (217 aC)

Após repetidas tentativas fracassadas de atrair o exército romano sob Flamínio para o campo de batalha, Aníbal apresentou uma nova estratégia e mandou homens marcharem ao redor do flanco do inimigo para cortá-los de Roma. Então, às margens do lago Trasimene, ele estava preparado para o inimigo com sua emboscada. Foi um sucesso completo. A batalha, que passou a ser conhecida como a Batalha do Lago Trasimeno, testemunhou um efetivo ataque cartaginense contra o cônsul romano Flamínio e seu exército de cerca de 25.000 homens entre as colinas de Cortona e o lago Trasimeno.

📒 Leia online gratuitamente centenas de livros de História Antiga

Aníbal desferiu um grande golpe ao dizimar a maior parte do exército romano, com perdas mínimas para o seu lado. O general romano Flaminius também foi morto em ação. Cerca de 6.000 soldados de infantaria que conseguiram escapar do campo de batalha foram apanhados pelos númidas e depois forçados a depor as armas e a render-se. Essa derrota teve um enorme efeito psicológico sobre os romanos, pois provocou pânico em Roma, e eles começaram a ter dúvidas sobre o futuro da cidade.

Veja também:
Top 10 Armas Antigas Populares

5. Batalha de Canas (216 aC)

Batalha de Canas (216 aC)

Uma das maiores vitórias de Aníbal e seus aliados na Segunda Guerra Púnica foi em Canas, às margens do rio Aufidus, em 216 aC. As forças romanas foram lideradas pelo cônsul Lucius Emilio Paullus. A cavalaria aliada púnica atacou a direita romana muito mais fraca na batalha e depois correu para a retaguarda para atacar os aliados latinos de Roma por trás, que já estavam envolvidos com a cavalaria de cavalos numidianos de Aníbal. Os historiadores dizem que, no final da batalha, 45.500 soldados da infantaria romana, juntamente com 2.700 cavaleiros morreram, com números adicionais feitos prisioneiros.

Esse resultado causou calafrios em Roma e seus aliados e aumentou a confiança dos cartagineses e de outras tribos rivais. Políbio chegou a notar: “Quão mais séria foi a derrota de Canas que as que a precederam pode ser vista pelo comportamento dos aliados de Roma; antes daquele dia fatídico, a lealdade deles permaneceu inabalável, agora começava a vacilar pela simples razão de que eles se desesperavam com o poder romano ”.

4. Estratégia Fabiana

Duas grandes derrotas nas mãos dos cartagineses soaram um alarme entre os romanos, e eles decidiram que era hora de uma ação imediata de emergência para afastar qualquer perda adicional ao estado. Assim Quintus Fabius Maximus foi apontado como o ditador temporário cum comandante em chefe. Para combater as tão bem-sucedidas táticas de Hannibal no campo de batalha, os romanos empregaram a estratégia fabiana – eles não se envolveram em batalha aberta com o oponente, mas duelaram em repetidas ocasiões usando menores destacamentos.

Este ato bastante covarde não era tão popular entre os soldados romanos que deram a Fábio o apelido de Cunctator, que significava "retardador", já que ele parecia evitar a batalha no momento em que a Itália estava sendo espancada por seus inimigos. Mas isso acabou sendo um golpe de mestre. As persistentes investigações de Fábio nas forças de Aníbal prejudicaram as habilidades de comando deste último e resultaram em muitos prisioneiros para os romanos. Mas logo, Fabius tornou-se impopular em Roma desde que suas táticas não levaram a um rápido fim da guerra e ele foi removido de seu posto na eleição de 216 aC.

3. Batalha de Zama (202 aC)

Batalha de Zama (202 aC)

Em 206 aC, a guerra chegou a um ponto decisivo. O exército romano sob Cipião tinha aprendido muitas lições com as táticas de Aníbal e estava pronto para enganar e derrotar os cartagineses no confronto final. O maior impulso para os romanos foi o apoio da tribo Massyli, que originalmente lutou junto com os cartagineses, mas ficou do lado dos romanos depois da Batalha de Ilipa. Seu apoio na batalha de Zama provou ser mais crucial para o sucesso romano.

Ao contrário da maioria das batalhas da Segunda Guerra Púnica, os romanos se saíram melhor com a cavalaria e os cartagineses tinham um número maior de infantaria. O exército romano constituía uma força que era superior tanto em termos de armas e habilidade quando comparada aos cartagineses. Aníbal provavelmente sabia disso, e ele também estava convencido de que seus homens não seriam capazes de perfurar a defesa romana, então ele se recusou a liderar seu exército para a batalha. A Batalha de Zama tornou-se a queda de Aníbal e desferiu um golpe decisivo às forças cartaginesas.

2. Ascensão e Queda de Aníbal

Hannibal Barca

O maior espetáculo da Segunda Guerra Púnica foi a ascensão de Aníbal como um líder competente e um astuto tático, bem como sua queda final que se tornou mais e mais inevitável à medida que a guerra se aproximava de seu período decisivo. Ele era pouco conhecido entre os romanos no início da guerra, e se ele não tivesse marchado através dos Alpes – um dos atos mais corajosos e astutos naquela guerra – ele pode não ter sido capaz de dar golpe após golpe na defesa romana, especialmente no inicio. Suas estratégias viram-no atrair os romanos em armadilhas e vencê-los em seu próprio jogo.

Mas apesar dessa vantagem, os cartagineses não puderam evitar a derrota final. As questões permanecem até hoje: Aníbal descuidadamente desperdiçou o poder de Cartago? As lendárias vitórias do engenhoso estrategista também foram a razão da queda desse império outrora incrível? Que ele se absteve de atacar a cidade de Roma no auge de sua campanha de sucesso ainda surpreende os historiadores. Gênio militar que Aníbal foi, ele teve que enfrentar uma eventual queda que levou a uma perda maciça para os cartagineses na Segunda Guerra Púnica.

1. The Aftermath

Hispania

No final da guerra, a Hispânia já não estava sob o domínio cartaginês, e Roma havia tomado o controle de uma grande área que antes ficava em Cartago. Além disso, Roma impôs uma série de sanções aos cartagineses que os impediram de fazer novas revoltas. Eles impuseram uma indenização de guerra a eles, limitaram sua marinha a 10 navios (aqueles 10 navios foram poupados para que os cartagineses pudessem afastar possíveis ataques de piratas) e proibiram Cartago de reunir qualquer tipo de exército sem a permissão de Roma.

Mas, eventualmente, Cartago ignorou essas sanções e criou um exército cerca de meio século depois, o que levou à Terceira Guerra Púnica. Mas sem uma liderança forte e os recursos que tinham na guerra anterior, Cartago só poderia lutar por meros três anos. Os romanos os destruíram completamente em 146 aC, dando assim mais um passo em direção à dominação final do antigo mundo mediterrâneo.

Conclusão

A Segunda Guerra Púnica foi uma das mais sangrentas guerras travadas no mundo antigo. Até o momento decisivo chegar, o resultado da guerra ficou em jogo durante várias batalhas. De fato, não seria exagero dizer que os cartagineses eram os favoritos para vencer a guerra desde o início, apenas para vacilar nos estágios posteriores e mais decisivos. A guerra foi motivo de lenda entre os historiadores contemporâneos. Tanto que, de acordo com Livy, foi “a mais memorável de todas as guerras que já foram travadas – a guerra que os cartagineses, sob a liderança de Aníbal, lutaram com o povo romano. Pois nunca um estado ou nação mais eficiente em seus recursos se engajou em disputa; nem eles mesmos tinham em qualquer outro período um grau tão grande de poder e energia. Eles colocaram em ação também nenhuma arte de guerra desconhecida entre si, mas aquelas que haviam sido julgadas na Primeira Guerra Púnica; e tão diversa foi a fortuna do conflito, e tão duvidosa a vitória, que aqueles que conquistaram estavam mais expostos ao perigo ”.

Deixe um comentário